O poder das fantasias eróticas

Todo mundo fantasia o tempo todo - e não só sobre sexo, garantem os especialistas. Que mulher não é capaz de imaginar, em detalhes, a roupa, o cabelo e a maquiagem que vai usar na próxima festa? E, claro, ela pode pensar também no homem que encontrará lá e de que maneira eles vão se aproximar, se beijar, e o que vai rolar na madrugada... "Fantasiar é a capacidade que nós temos de inventar mentalmente coisas ou situações: é o que se chama sonhar acordado", diz o psiquiatra e sexólogo Ronaldo Pamplona, autor do livro Os 11 Sexos - As Múltiplas Faces da Sexualidade Humana (Ed. Kondor).

Na esfera sexual, a necessidade de fantasiar pode ser ainda maior porque a imaginação compensa a impossibilidade de realizar todos os desejos sexuais, seja por alguma limitação cultural, inibição individual, seja por escolha consciente. Por exemplo: uma mulher pode decidir não transar com o chefe porque ele é casado, mas imaginar a transa não tira pedaço. Resumindo: cada um pode fantasiar o que quiser, o que não pode é realizar tudo. Nossos valores morais impõem limites. Ou então é o parceiro que recusa.

Na cama, o conselho é soltar a imaginação, pois, como diz a psicoterapeuta Rosely Gomes, "a fantasia é um tempero para a libido". Mas há quem se trave pelo excesso de autocensura: existem pessoas que não conseguem admitir seus desejos nem para si próprias.

E se der vontade de botar em prática? Ótimo, vá em frente! Mas não sem antes tentar descobrir se aquele seu plano genial tem alguma chance de agradar ao parceiro. Assim evitará incidentes como este: "Cheguei do trabalho, ela estava na cozinha só de avental e salto alto. Comecei a rir da situação, e ela ficou superchateada. Foi broxante para ambos," diz o comerciante Orlando, 38 anos, casado.

 

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br/amor-sexo/reportagem/sexo-saude/poder-erotico-fantasias-417489.shtml

Ler 876 vezes